Novidades

Início > Novidades > Máquinas de Solda Utilizadas como Impressoras 3D

Máquinas de Solda Utilizadas como Impressoras 3D

  • Minas Gerais mg Extrema ver
  • Minas Gerais mg Poços de Caldas ver
  • Minas Gerais mg Pouso Alegre ver
  • São Paulo sp Atibaia ver
  • São Paulo sp Campinas ver
  • São Paulo sp Itatiba ver
  • São Paulo sp Jundiai ver
  • São Paulo sp Limeira ver
  • São Paulo sp Mogi Guaçu ver
  • São Paulo sp Paulinia ver
  • São Paulo sp Piracicaba ver
  • São Paulo sp São Paulo ver
  • São Paulo sp Sorocaba ver
Quatro empresas que atendem diversos setores da indústria recentemente compartilharam sua gama de projetos de impressão 3D.
Uma delas, a MX3D, desenvolveu uma tecnologia de impressão de metal 3D utilizando máquinas de solda robotizadas. O processo, que é inovador e abre portas para o desenvolvimento de inúmeros produtos, está finalizando um grande desafio: a impressão de uma ponte de pedestres feita em aço inoxidável e que será utilizada em um canal na cidade de Amsterdã.

 

 

A ponte está passando por seus primeiros testes que visam avaliar a durabilidade e capacidade de carga. Os resultados já fazem a empresa comemorar. A finalização dos testes e aplicação do revestimento deverão ser realizados até outubro de 2018.

 

 

Medindo cerca de 12 metros de comprimento por 6 metros de largura e um metro de altura, a ponte contará com uma rede de sensores inteligentes que irá monitorá-la durante os testes e após a sua colocação final, coletando medidas estruturais e fatores ambientais.
Outra empresa que também está ganhando destaque na área é a Lockheed Martin, que está desenvolvendo uma cúpula de titânio impressa em 3D para tanques de combustível de satélites.
A peça que possui 1,15m de diâmetro completou as rodadas finais dos testes de qualidade, encerrando um programa de desenvolvimento multi-anual para criar tanques gigantes de alta pressão que transportam combustível a bordo de satélites. O tanque de titânio consiste de três partes soldadas: duas cúpulas impressas em 3D que servem como tampas e um cilindro de titânio fabricado tradicionalmente que forma o corpo.
 

 

“Nossas maiores peças impressas em 3D até hoje mostram que estamos comprometidos com um futuro em que produzimos satélites duas vezes mais rápido e pela metade do custo. Economizamos 87% do cronograma para construir as cúpulas, reduzindo o prazo total de entrega de dois anos a três meses”, disse Rick Ambrose, vice-presidente executivo da Lockheed Martin Space.
Os engenheiros da empresa garantiram que os tanques atendessem ou excedessem o desempenho e a confiabilidade exigidos pela NASA. Espera-se que o esforço apoie os futuros programas de qualificação e certificação necessários para implementar essa tecnologia para a Marinha dos EUA, além de mudar a forma como os construtores produzem a próxima geração de navios de guerra.
“Além de nossos esforços contínuos de construção naval digital, a impressão 3D pode transformar nossos padrões de projeto. Essa tecnologia tem o potencial de ser uma das inovações de fabricação mais significativas em nosso setor desde que começamos a construir navios nucleares nos anos 50”, disse Charles Southall, vice-presidente de engenharia e design da Newport News.