Novidades

Início > Novidades > Soldagem por Arco Submerso

Soldagem por Arco Submerso

  • Minas Gerais mg Extrema ver
  • Minas Gerais mg Poços de Caldas ver
  • Minas Gerais mg Pouso Alegre ver
  • São Paulo sp Atibaia ver
  • São Paulo sp Campinas ver
  • São Paulo sp Itatiba ver
  • São Paulo sp Jundiai ver
  • São Paulo sp Limeira ver
  • São Paulo sp Mogi Guaçu ver
  • São Paulo sp Paulinia ver
  • São Paulo sp Piracicaba ver
  • São Paulo sp São Paulo ver
  • São Paulo sp Sorocaba ver

O QUE É SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

Normalmente em um processo de soldagem por arco elétrico, a poça de fusão é protegida por gases, porém no caso da soldagem por arco submerso, o arco é revestido por uma camada de fluxo granular, que esconde e protege a poça de fusão.
 
O consumível neste tipo de soldagem normalmente é um arame eletrodo, muitas vezes revestido por uma camada de cobre. O arame eletrodo é um arame sólido que é normalmente armazenado em armazenado em carretéis ou bobinas e faz papel de eletrodo e metal de adição ao mesmo tempo. Atualmente, os arames tubulares também tem sido utilizados.
 
Cada arame eletrodo é desenvolvido de acordo com a soldagem a ser realizada e quais os tipos de metais envolvidos.
 
 

FLUXO DE SOLDAGEM

Esta camada protetora é uma espécie de pó metálico que protege a poça de fusão da contaminação da atmosfera, e recebe o nome de fluxo de soldagem. Além de proteger a poça, o fluxo também auxilia a estabilizar o arco elétrico, fazendo desta solda uma das mais limpas e de maior qualidade. A composição do fluxo depende do material que vai ser soldado, e é indispensável que seja escolhida corretamente.
 
O fluxo é uma mistura de óxidos, minerais e ferroligas, e possui duas classificações: uma em relação à quantidade de óxido, e outra em relação à habilidade ou não de alterar a composição química do cordão de solda.
 
Os fluxos óxidos se dividem entre ácidos, básicos e neutros, sendo que quando mais básico o fluxo, maior a capacidade mecânica do cordão de solda. Já em relação à alteração da composição do cordão, podem ser classificados em ativos ou neutros, sendo que os ativos são aqueles que alteram a composição química, e os neutros não.
 
 
 

APLICAÇÕES

Este processo é um processo muito utilizado na indústria, principalmente quando é necessária grande produtividade e boa uniformidade do cordão de solda, e pelo fato de ser um processo com alta taxa de deposição de metal, é recomendado para soldas que envolvem longas articulações em linha reta.
É muito utilizado na indústria naval, em caldeirarias, em indústrias de perfis e estruturas metálicas, na fabricação de tubos, plataformas, vasos de pressão, navios e barcos, entre outros.
 
 

AUTOMATIZAÇÃO E VANTAGENS

Em processos comuns de soldagem por arco elétrico, a habilidade do soldador é um fator que influencia muito nos resultados, porém, no caso do arco submerso, o processo é praticamente automático, pois o operador apenas supervisiona a soldagem. Por este motivo e pela alta taxa de deposição, a soldagem por arco submerso apresenta um produto final de alta qualidade, uniformidade e produtividade.
Além disso, é um processo que quase não gera respingos ou fumos de soldagem, é rápido e prático, e contribui para que o ambiente de trabalho seja mais seguro e o operador também, uma vez que o arco está protegido pelo fluxo.
 
 

LIMITAÇÕES

Por ser um processo que envolve uma máquina, esse processo só pode ser realizado nas posições planas ou inclinadas, pois o cabeçote de soldagem é acionado por um motor elétrico e é fixo na máquina, que o faz deslizar automaticamente sob os trilhos, efetuando a soldagem.
 
 
 

COMO FUNCIONA

Após a limpeza das peças, etapa essencial em qualquer tipo de soldagem, o operador vai posicionar o conjunto de soldagem na posição onde a tocha de soldagem da máquina começa. Após isso, o fluxo de soldagem é liberado sobre a peça, e o arco é aberto.  A corrente elétrica pode ser contínua ou alternada, e influencia disso na soldagem é a penetração do cordão de solda.
 
Ao final, a escória formada pelo fluxo é retirada pelo operador da máquina, e se forem necessárias mais camadas de solda, é só reposicionar o conjunto e acionar o mecanismo novamente.
 
 

TIPOS DE SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

Existem algumas variantes deste processo, que são adaptações do equipamento de soldagem em alguns cenários específicos, de acordo com a necessidade. As principais são:
  • Twin Arc: significa “arcos gêmeos”, pois consiste em dois eletrodos trabalhando ao mesmo tempo.
  • Tandem Arc: consiste em dois ou mais arcos em série, onde os eletrodos trabalham em uma linha, um atrás do outro.
  • Eletrodo em fita: variante usada quando a área de soldagem é grande.
  • Pó Metálico: neste processo o pó usado no fluxo é de ferro, e se funde juntamente com o eletrodo, o metal de base e o fluxo, formando uma junta única.
 
 

MANIPULADORES DE ARCO SUBMERSO

Muito utilizado junto a fonte de solda, os Manipuladores automatizam o processo de solda a Arco Submerso ao facilitar o posicionamento e deslocamento das peças soldadas, principalmente grandes peças cilíndricas.
 
 
A Aventa disponibiliza de máquinas de soldagem por arco submerso para locação e venda. Clique aqui para maiores informações.