Novidades

Início > Novidades > Soldagem Subaquática

Soldagem Subaquática

  • Minas Gerais mg Extrema ver
  • Minas Gerais mg Poços de Caldas ver
  • Minas Gerais mg Pouso Alegre ver
  • São Paulo sp Atibaia ver
  • São Paulo sp Campinas ver
  • São Paulo sp Itatiba ver
  • São Paulo sp Jundiai ver
  • São Paulo sp Limeira ver
  • São Paulo sp Mogi Guaçu ver
  • São Paulo sp Paulinia ver
  • São Paulo sp Piracicaba ver
  • São Paulo sp São Paulo ver
  • São Paulo sp Sorocaba ver

EXISTE SOLDAGEM SUBAQUÁTICA?

Apesar da água e a eletricidade não serem boas parceiras, existem processos de soldagem subaquática no oceano que são feitos numa profundidade de até 100 metros de profundidade. Existem profissionais que são chamados de mergulhadores soldadores e que desafiam a natureza executando soldagens em ambientes aquáticos em que a visibilidade pode chegar a ser nula.
 
A soldagem através de arco subaquática é muito utilizada no setor naval, mas além de utilizadas em emergências e reparos de navios em alto mar, também podem ser úteis nos setores de engenharia, como em gasodutos, oleoduto e encanamento e na manutenção e construção de máquinas utilizadas para perfuração em solo subaquático.
 
A verdade é que o mar vem se tornando cada vez mais um campo de trabalho utilizado por empresas de energia e comunicação que utilizam da soldagem subaquática em encanamentos, tubulações, nas próprias plataformas, na perfuração de poços submarinos e em reparos e manutenções que são necessários constantemente para mantê-las funcionais.
 
Existem empresas especializadas em soldagem subaquáticas e os profissionais que executam os processos de soldagem subaquática são altamente qualificados e treinados diversas vezes por anos, uma vez que o mar é um campo de trabalho muitas vezes imprevisível e perigoso. Além disso, é necessário um equipamento especial para que a solda seja realizada, incluindo um capacete pesado e grande que serve tanto para o mergulhador respirar, como também protege os olhos da luz intensa.
 
 
Existem dois processos quando se trata de soldagem submarina: a solda molhada (ou úmida) e a solda seca, sendo a primeira mais comum, através de eletrodo revestido à prova d’água ou arco elétrico. Sendo a água condutora de energia, o arco elétrico age sob a superfície do metal da mesma forma que age em terra. Muitas vezes o mergulhador está mais seguro embaixo da água, uma vez que a possibilidade de um choque fatal é menor devido ao fato do equipamento de soldagem operar sob corrente contínua. Além disso, o soldador está em comunicação direta com operadores de controle que conseguem ouvi-lo e muitas vezes também ver o processo de solda através de uma câmera acoplada ao equipamento.
 
A soldagem seca é realmente fascinante e exige muito trabalho, uma vez que uma plataforma é imergida e acoplada à superfície que vai ser soldada e após isso, enche-se de ar para que o mergulhador entre na mesma e se encontre em um habitat seco, podendo tirar o capacete e trabalhar como se estivesse na superfície. O processo pode levar dias ou até semanas, e normalmente após o seu turno de em média 6 horas, o mergulhador sobe à superfície, descansa e come dentro de um ambiente que mantém a mesma pressurização que a plataforma submergida, para que ele não sofra consequências da mudança de pressão no ambiente.
 
Seja ele seco ou molhado, o processo de soldagem subaquático envolve muito trabalho, e um custo muito grande, porém, com os avanços da indústria de energia e engenharia, cada vez mais profissionais são procurados pelas empresas, e também há cada vez mais interesse pela parte dos profissionais em relação à especializações na área. No Brasil, você pode encontrar mais informações sobre cursos especializantes nos sites do FIRJAN ou do SENAI.